terça-feira, 23 de maio de 2017

a ignorância e a parvoice não tem limites

um dos maiores recursos naturais do concelho, que pode trazer investimeintos avultados para a região, continua a seir contestado por meia duzia de pacóvios fundamentalistas  e outros tantos politicos de algibeira. Uns tristes!

 

sexta-feira, 19 de maio de 2017

opinião do leitor



Caros amigos
Acompanho á muitos anos o vosso blog. Constato até que é o único que se mantem vivo, atravessando diversas épocas e contextos. Agrada-me a tentativa de pluralidade de opinião diversa.
Constato uma coerente discordância insanável e denúncia constante com o ex-presidente da camara. É evidente e reconheço a pertinência das denúncias, que em boa verdade sempre se vieram a demonstrar. Estamos de acordo. Não é uma pessoa que mereça a confiança da Covilhã. Foram e são, muitas hipocrisias e trapalhadas, que só muito descaramento, apego ao poder e idiossincrasia, poderiam fazer querer voltar passados 25 anos, quando tudo poderia ter sido feito e afinal ficamos na situação em que nos encontramos.
Porem, gostava de partilhar convosco a minha profunda preocupação com o facto da Covilhã poder estar num beco sem saída. Ao contrário do que nos querem fazer querer o actual procedimento politico, comparado não é diferente. Mais ou menos refinado, é de igual modo velhaco. A nobreza de caracter, a coerência de projecto político, não existe. O actual presidente é uma figura despicienda, ela própria governada, por um grupo de maus concelheiros, liderados pelo principal activista do ex-presidente. Poderia ser só a diferença no mandar ou ser mandado. Infelizmente não é. Trata-se mesmo de um espirito arrivista de covardia moral, cuja imoralidade admite a desfaçatez do coitadinho.
Assim sendo, a ameaça do beco sem saída preocupa-me. O PS é um partido com responsabilidades nacionais e especialmente local. Foi um mau partido local que legitimou uma farsa durante 25 anos. Espero que a contestação nacional a uma estratégia suicidária da figura responsável pelas autárquicas, chegue á Covilhã e se possa debater quem tem legitimidade para ser candidato e ajude ao progresso efectivo do nosso concelho, de modo a evitar que voltemos a estar arredados da camara nos próximos 20 anos.
Peço-vos que publiqueis a minha opinião e ficarei disponível para o debate que possa proporcionar.
Cumprimentos, pela liberdade  e pelo futuro da Covilhã.

Nota: decidimos publicar contributos de leitores, cuja opinião tenha espaço para debate nesta tertúlia internauta .

segunda-feira, 15 de maio de 2017

do leitor

(Pediria um post para este texto… se não for pedir demasiado…)

Nunca, como quem nasceu pobre, terá tanto asco e desdém por quem se mantém pobre, depois de enriquecer.
Por conseguinte, imaginem o sacrifício que o candidato Carlos Pinto anda a fazer por esses cafundós! É para ele mais penoso do que ir a Fátima de joelhos desde o Pelourinho. 
Quem se habituou a outros patamares financeiros e ritmos de vida, que para agora não interessam aqui… é para ele deprimente o que está a fazer…
O importante da questão, o importante mesmo, é saber a razão por que passa por tal suplício! E com tal antecedência das eleições que, para quem percebe alguma coisa de estratégia política, é SUICIDÁRIO!
Já alguém aqui aflorou motivos. É possível que sejam esses… Mas, se fossem só esses, não justificariam tal auto-flagelo, como dormir em casa de “boas” pessoas…
Fica entretanto aqui o aviso essas pessoas, néscias por natureza: O Carlos Pinto está-se borrifando para vocês. E convosco, para a Covilhã e para o Concelho! Há outros móbeis… 

11 de maio de 2017 às 15:27

 Eliminar

quarta-feira, 10 de maio de 2017

o mistério dos milhares… muita fumaça e poucas velinhas



ajuntamos, pelo menos, 1000 velinhas (não fossem faltar!) e atribuímos uma a cada pessoa, do ajuntamento no pelourinho, do dia 6 de maio (dia profético diz o vidente) …
168 bastaram! Fizeram muita fumaça…mas foi da qualidade do material incinerado.

segunda-feira, 8 de maio de 2017

esquece...



ESQUECE...a palavra mais covarde e violenta para qualquer agressor. A confissão e a desvergonha…
“Desculpa qualquer coisinha”… “desta vou-me comportar bem”, “a partir de agora tudo vai melhorar nas nossas vidas”, “ estava cego e não vi o que fiz” esquece… esquece… “ainda vais descobrir o bom que eu sou”…esquece o que viste… vamos ser felizes…(até á próxima…). Descaramento!
Covilhanenses esqueçam?! ...“vou voltar consertado” ?! Mais ressabiado do que nunca??
Mais do que uma suposta candidatura, viramos, a antecipação de uma sentença. “Já que sou candidato, tenham isso em atenção e não liguem ao que diz a relação !!! istou mudado…”, confundiram tudo…disséramos que íamos teir 1000 votitos e eilas disseram que istavam mil a veir…o romano também s’ingana…

Psd e ppm unem-se na Covilhã. Agora sim a vitória é possível


sexta-feira, 5 de maio de 2017

Festival aereo no aerodromo de C.Branco organizado pelo AEROUBI. Os avioes, como diria o antigo presedeinte da cambra, são de plástico. Eheheheheh


o regresso do marengo



A intempérie promove o messiânico regresso do marengo.
À laia do bacoco e serôdio sebastianismo local, promovido no embuste digital, a borrasca manterá viva a crença profética do regresso do marengo, que conduziu o despotismo napoleónico em supostas batalhas onde nunca esteve. O marengo nunca passou de uma mula acobardada e vingativa!
Adiaremos uma contagem efectiva da suposta força numa batalha, onde o mito se torna estorvo do direito, e necessidade, da Covilhã debater e decidir o seu próprio futuro.
Decidir no confronto entre a prepotência e inabilidade é redutor na história democrática de um povo.