quarta-feira, 26 de julho de 2017

o caos...a realidade e o profeta...


Não fazemos juízos de intenção á honestidade dos candidatos. Ao menos a honestidade intelectual exige-se.
A teoria do caos não deve habilitar candidatos. A Covilhã está capturada pela criação do caos e da terra queimada, para que, os anjos do diabo façam a sua própria reabilitação.
Os covilhanenses não têm razões para estar descansados. Daí, até acreditarem no caos a partir de comparações e ou omissões descontextualizadas, dos números, dos concelhos vizinhos etc, é um atentado á inteligência colectiva.
O decréscimo de eleitores inscritos é uma tendência evidente. Desde o mandato do agora de novo candidato, responsável pela governação de 2009 a 2013.
Mais, de acordo com estudos anunciados a tendência manter-se-á até 2030, se algo não mudar. Nós acrescentaríamos; a começar pela exigência da honestidade dos candidatos e o fim da hipocrisia que durante os últimos 30 anos, orientou o modus operandi e marcou a liderança deste maravilhoso concelho de gente honesta, iludida por falsos profetas.
Uma coisa é certa, perdemos eleitores! A razão não é conjuntural, corre o risco de ser estrutural. Tocam os alarmes, nada é desculpável. Esperam-se atitudes e seriedade. Abandone-se a especulação e o discurso fácil, cozinhado e de dedo em riste é feio!

terça-feira, 25 de julho de 2017

O carpinteira assistiu ao teste do proximo teleferico Covilhã - Torre com passagem por Unhais. Em breve apresentareimos as tele cabines da Biquinha plagiadas no nosso estabelecimeinto




peloorinho...red light district



Andamos apoquentados. A esta hora, haverá por ai uma rapaziada no frenesim das ideias. Importa, fazer propostas, dizer coisas á malta e especialmente justificar porque são candidatos. Essa nobre coragem de ser candidato! seja lá qual for a nobreza e a coragem de o ser. O certo é que não é para todos! E os que são têm que dizer coisas…
Eles cobrem-nos, eles poem-nos num museu histórico, eles pregam-nos com pastéis de Lisboa, eles pagam-nos para ir ao centro, e sabe-se lá, o que mais esta para vir. Todos têm uma ideia milagrosa para regenerar o centro. Vá lá, só acontece de 4 em 4 anos, enquanto o centro definha de ano para ano, desde que o fogo (1977), o descaracterizou e afastou da verdadeira representação e identidade covilhanense. Cafés, feiras, gente, bolicio…
Ora nós, como já é sabido, não teimos a tal coragem para nos cãodidatar. Mas isso, não quer dizer ca gente não tenha ideias, e que ideias! Vamos apreseintando devagarinho o nosso pograma. Balelas…que alguns mais iruditos, chamam contributos da participação dos cidadões, desnudados do interesse, (por não sermos capazes), de ser da ilite mandante que a democracia legitíma e lá vai milhorando a vida dos pardais, pombos e outras aves. Até raras e migratórias…
Dizem os tempos modernos que as ideias devem ser aceites pela comunidade, sustentadas, e especialmente inovadoras!
Se trazer gente para o centro é o problema. Uma ideia aceite, seria do gosto generalizado (pelo menos da maioria)! Sustentada, porque todos ganham (pelo menos a maioria)! E na inovação o segredo…o ovo de colombo!
Fazer um Bairro Vermelho era o sucesso. Tira e queda! Uma arrumação só para a comunidade. Tantos espalhados por cantos e becos, teriam um espaço condigno de trabalho. Ganharíamos com a higienização e transparência. Todos sabiam o que são! Até, se facilitaria a cobrança de dividendos. Os “patrões” iam direitinhos cobrar a sua maquia. Não precisariam andar cobridos de manhas.
E a inovação?! Fazer o bairro unissexo era um must!! Respeitaria a igualdade de género. Um lugar para todos, todos diferentes todos iguais…a loucura!!
Bom, eiste é um sigelo contribute, que poderão concordar ou não, mas que resolvia de uma veiz por todas com o probleima, resolvia! E depois?!... que diriam o próximos candidatos, valentes e corajosos na apresentação de soluções pro futuro nos seus pogramas??
Se algum copiar, já sabe tem que ir ao castigo… e não digam que é swing!!!

segunda-feira, 24 de julho de 2017

os “grandes” amigos investidores, já foram presos!?...fica o romance.....



Gozávamos o nosso fim de semana, quando eu e a minha consciência, na ânsia de informação actualizada, cruzámos uma estação de radio local, diga-se, provavelmente das melhores captáveis na região. Transmitiam uma entrevista a um putativo candidato autárquico, como se compreende no período em curso.
Num primeiro momento, tivemos dificuldade em perceber, quem era! Não é fácil perceber qual é o que fala... Tagarelava como se estivesse estado ausente nos últimos 30 anos e de repente, tivesse aterrado no aeródromo da Covilhã, deslumbrado e contornando as torres ali plantadas, se dirigiu para aquela entrevista…
Não tardou, perceber, que afinal era um já conhecido tagarela, inquieto desconfiado do seu próprio discurso, apanhado entre uma intimação judicial e a entrega de mais uma queixa contra alguém, não importa quem! Um homem “bem”…muito bem, relacionado com a justiça. Trabalho não faltará. Preciso é dar trabalho aquela gente, que até parece ter tempo para ir á praia e não ter mais do que fazer, que perseguir candidatos ás camaras. Um bom cliente da justiça, é certo! Por cada caso próprio, entrega mais um…1-1= 0…será?
Percebemos que não é bem assim. O homem estava preocupado com as assinaturas proponentes da sua candidatura. Para quê?! O homem tem crédito suficiente para entregar um monte de papéis assinados e está feito! Uma tonta exigência, que cumprirá só porque lhe apetece... Haveria na justiça, alguém capaz de recusar a sua candidatura?! Impossível! O maior entre os maiores?! A falta do número? Ou, assinatura igual ao cartão? Mariquices de tabelião…
Saberão eles quantos emigrantes e imigrantes queriam assinar? Falecidos e nascituros que teriam idêntica vontade? Enfim! a multidão de covilhanenses que não tiveram tempo de se deslocar?...Não percebem a alcance da sua candidatura…é imensa!… e não será um juiz ou uma justiça terrena capaz de impedi-la. Ponto final.
Descemos á terra e perante a narrativa divina, de projectos grandiosos e certezas, perguntamo-nos: quanto custariam? Não falou de um único orçamento…e que interessa isso?! Para a frente e de novo, é que é o caminho…não interessa nada é tudo para entregar aos investidores privados. 
Ter-se- á esquecido!? Ou estaria mesmo em viagem?!Parte dos “grandes” amigos investidores, já foram presos!? Que parte é que ainda não terá percebido!? Um romance imaginado ou um exel com grelha?

domingo, 23 de julho de 2017

Nós jä tinhamos alertado para isto. Toda a covilha junto à encosta é um barril de polvora. Falta vigilância, ordenamento, limpeza junto à istrada, descontinuidade do arvoredo, linhas de corta fogo, pontos de água, e por aí fora. Valeu o excelente trabalho dos bombeiros que conseguiram evitar a destruição total desta encosta. E os candidatos o que terão nos seus programas sobre a prevençao no concelho? Parece que nada


A seca está por todo o lado, mas a barragem viriato continua com niveis proximos da sua capacidade maxima. A agua nunca faltou nem vai faltar no condominio covilhaneinse. Quem disse que fazia falta mais uma barragem?


Eistes buracos estão por tapar há ceirca de um mês e ficam ali no miradouro das portas do sol. Mais uma veiz o Carpinteira na sua missão de serviço publico, alerta o vereador dos ornameintos , retoques&afins que mande tapar aquilo antes que alguem arranje por ali um maleita. Bem hajam



quinta-feira, 20 de julho de 2017

o casino de outubro...atenção ao crupier..



Uma coisa já é certa! Dia 1 de Outubro vamos ao casino
Vão sendo conhecidos os baralhos. Cuidarão os covilhanenses de perder quanto menos melhor.
Baralhos viciados, cartas sedutoras, a atracção pelo ganho na próxima carta, são os perigos de qualquer casino. Atenção, muita atenção ao crupier !! As damas não contam, saltam logo fora do baralho. As outras figuras uma incógnita.
Certo, certo, é o jogo acabar só com duques e desses, ninguém espera nada. 
Não há como ir a jogo. O joker está feito com o curpier, é quem manda...e mai nada!!!

terça-feira, 18 de julho de 2017

Candidato do movimeinto "de novo covilhã" apaga foto do juiz que o condenou, 8 horas depois de a ter publicado na sua pagina de facebook. Agora voltou a repor a foto depois do nosso reparo. Hehehehe. O ultraje, desorientação e falta de respeito por ele próprio levam no a cometer estes dislates. Nos fizemos o print screen para memória futura


setembro 2013...o começo do conluio e motim..

Isto é o limite!…em toda a parte do mundo isto é crime…

 
Recuperamos um dos mais infelizes episódios da democracia local. Um dos julgamentos de prevaricação que escapou á justiça. Não apenas infeliz, pela revelação da degradação do mistagogo, mas de toda uma corte, agindo imoralmente na defesa incauta, de um grande líder que jamais deveria ser afastado do poder. Note-se, abandonar a política é bem diferente de abandonar o apego ao poder e dominação do colectivo.
Decorria a ultima campanha eleitoral, que haveria de resultar numa indeminização choruda, para a integração de quem nunca se idealizou integrado, por manifesta falta de espaço, ou simples adição e mania.
Fomos surpreendidos por um comentário da página do FB do Município, para publicar um ataque, curiosamente num estilo e tom que se tornaram costumeiros, numa narrativa e atitude sabotadora da Covilhã e das suas gentes, ameaçadora, intragável, persecutória, utilizada em blogs e redes organizadas de perfis falsos, com o fito de manter a sebastiânica imagem do predador. Igualmente ao estilo “bate e foge”, foi retirado. É necessário print screen?!
O anonimato não é um crime. Crime, é utiliza-lo para atacar pessoas sem interesse publico. Cidadãos, cuja vida pessoal e profissional, relacionamentos, estilo de vida, é de sua única responsabilidade e direito de privacidade.
Arregimentar e organizar redes de divulgação é para nós o crime. Provavelmente o mais hediondo dos crimes sociais. Não deve ser imputado exclusivamente ao autor. Só acontece porque tem cúmplices e são autores da disseminação. As suas posições públicas não podem ser consideradas cândidas. Estão ao serviço da “causa”.
Nunca se apurou, quem teve a iniciativa do comentário improprio e excessivo no uso do sítio institucional, presumivelmente um garante da representação do estado de direito. Ficaram impunes. Quem se sente impune, não hesitará perpetuar. Chegamos onde chegamos. A gangsterização da mensagem. A ameaça rebuçada, temerosa, agitação social.
A Covilhã não é isto! Não há espaço para gangsters! Onde chegará a justiça? quando veladamente, ou não, se publicam fotos pessoais, ao estilo “estás marcado”?
Já não nos surpreende. Foi sempre isto e muito pior. Um poder podre de ameaças veladas.
No regresso da “guerra dos tronos“, recuperamos a frase Walder Frey (o defunto Anselmo lá do sitio, traiçoeiro e vingativo):
 “Deixem um lobo vivo e as ovelhas nunca estarão a salvo.